Coordenador da rBLH recebe prêmio da Organização Mundial da Saúde

Coordenador da rede Global de Bancos de Leite Humano (rBLH) e pesquisador do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), João Aprígio Guerra de Almeida recebeu, nesta sexta-feira (13/11), o Prêmio Dr. Lee Jong-wook de Saúde Pública de 2020, em uma cerimônia realizada remotamente durante a Sessão Plenária da Retomada da 73ª Assembleia Mundial da Saúde. A premiação é uma referência ao ex-diretor da OMS e homenageia indivíduos e instituições por suas contribuições excepcionais para o desenvolvimento saúde pública. 


João Aprígio dedicou seu prêmio aos recém-nascidos atendidos pela rede da bancos de leite e suas famílias
e às mulheres-mães doadoras de leite humano que mantém a rBLH (imagem: Divulgação)

“A pandemia de Covid-19 nos mostrou o incrível valor da ciência e do serviço de saúde. Menos de um ano atrás, o mundo não sabia nada de Covid-19. Desde então, a ciência entregou insights incríveis em uma velocidade extraordinária, o que permitiu que a OMS desenvolvesse diretrizes baseadas em evidências e acelerando o desenvolvimento de vacinas, diagnósticos e terapêuticas em tempo recorde. Mas nós também reconhecemos o trabalho dos trabalhadores sociais e da saúde do mundo, que se colocaram a serviço de prevenir infecções, tratar os doentes e salvar vidas. É sobre isso que os prêmios de 2020 são: ciência e serviço. Os premiados deste ano possuem programas pioneiros que salvaram a vida de milhões de crianças, desenvolveram novas ferramentas digitais para auxiliar a atenção primária, lideraram pesquisas que permitiram a criação de base para políticas nacionais na saúde materno-infantil, estabeleceram a maior rede de bancos de leite do mundo para apoiar a amamentação, traduziram pesquisa em políticas inovadoras e práticas clínicas, entre outras contribuições”, declarou o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom, ao parabenizar os vencedores dos prêmios entregues pela instituição na cerimônia.

João Aprígio dedicou seu prêmio aos recém-nascidos atendidos pela rede da bancos de leite e suas famílias e às mulheres-mães doadoras de leite humano que mantém a rede. O coordenador da rede também agradeceu a todos os parceiros que permitiram que esse projeto fosse construído coletivamente: sua família, seus amigos, os profissionais da rede, o Ministério da Saúde, a Agencia Brasileira de Cooperação e a Fundação Oswaldo Cruz. “A Fiocruz é minha casa há 35 anos. Um locus de ciência, de desenvolvimento tecnológico e inovação, onde tive a oportunidade de aprender o verdadeiro significado do que é fazer saúde pública com compromisso social”, afirmou o pesquisador ao receber o prêmio. Leia o discurso completo.

O homenageado fez referência aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e à Declaração dos Direitos Humanos como marcos de seu trabalho e compromisso. “Os avanços alcançados nos países que implementaram Banco de Leite Humano conferem legitimidade para reconhecer a Rede Global de Bancos de Leite Humano como uma associação global em favor dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, particularmente no que diz respeito a assegurar uma vida saudável e promover o bem-estar, assim como revitalizar a parceria global”, declarou.

O prêmio marca um importante reconhecimento na trajetória do profissional que se dedica, desde 1998, à promoção do aleitamento materno no Brasil e no mundo, contribuindo na redução da mortalidade infantil. A Rede de Bancos de Leite Humano estruturada por João Aprígio no Brasil é considerada uma referência internacional e a rede global já está presente em 30 países.

“O homenageado de hoje propôs um novo modelo de redes de bancos de leite, ele estruturou uma rede nacional e expandiu sua rede de bancos de leite até se tornar uma rede global. Esta pode ser considerada uma verdadeira rede de proteção para a vida de milhões de recém-nascidos baseada na solidariedade e no voluntariado de seus membros. A rede fez um trabalho significante em prevenir a mortalidade neonatal e em melhorar o bem-estar de mães”, disse o presidente da da Fundação Coreana para Saúde Internacional - Fundo Memorial do Dr. Lee Jong-Wook (KOFIH), Choo Moo-jin, ao anunciar o prêmio.

Prêmio Dr. Lee Jong-wook de Saúde Pública de 2020 foi compartilhado com o Consórcio da Doença Falciforme, da Tanzânia. Além desse prêmio, foram entregues na cerimônia outros os prêmios concedidos pela OMS com o apoio de fundações de saúde pública.

A cerimônia completa está disponível no canal do YouTube da Rede de Bancos de Leite Humano

Fonte: Agência Fiocruz de Notícia