OMS publica um Guia de Orientação provisória de resposta rápida a Varíola do Macaco (Monkey Pox)

Publicado em 18/06/2022 11h:14min.

No dia dez de junho a Organização Mundial de Saúde publicou o Guia GESTÃO CLÍNICA E PREVENÇÃO DE INFECÇÕES E CONTROLE PARA MONKEYPOX - Orientação provisória de resposta rápida, em atenção aos cuidados dos novos casos de varíola quem vem surgindo em países onde a doença não é endêmica.

O documento traz um item dedicado a alimentação de bebês em mães infectadas com a varíola do macaco (MPX), o qual traduzimos e publicamos aqui.

8.4 Alimentação de bebês em mães infectadas com MPX (recomendação)

A OMS recomenda que as práticas de alimentação infantil, incluindo a interrupção da amamentação em uma mãe com MPX, deve ser avaliada caso a caso, considerando o estado físico geral da mãe e gravidade da doença, o que poderia impactar no risco de transmissão de MPX de mãe para filho.

Observações:

  • Atualmente, não se sabe se o vírus MPX ou anticorpos estão presentes no leite materno de mulheres lactantes. Os riscos conhecidos associados à negação das proteções conferidas pela amamentação e o sofrimento causada pela separação da mãe e do bebê, deve ter um peso maior no cálculo de risco/benefício do que o risco potencial e desconhecido de infecção por MPX no lactente.
  • Proteger a sobrevivência da criança enquanto mantém a ingestão nutricional do bebê é a prioridade (por exemplo, evitar doença diarreica associada ao leite artificial contaminado devido a água impura ou práticas anti-higiênicas).
  • Os bebês de mães com MPX devem ser monitorados de perto quanto a sinais e sintomas com o objetivo principal de cuidados de suporte para prevenir o desenvolvimento de doenças graves e maus resultados.
  • Medidas gerais de proteção de EPI devem ser tomadas por mães com MPX ao manusear e alimentar seus bebês, por exemplo lavar as mãos antes e depois de cada mamada, usar máscara (se possível) e cobrir quaisquer lesões na aréola ou em áreas de contato direto com o lactente. Alternativamente, se apenas uma mama tiver lesões, as mães podem ordenhar/bombear da mama com lesões na aréola e descartar o leite e a alimentação da mama não afetada. Em todos os casos, monitore de perto o par mãe-bebê quanto ao desenvolvimento de sinais e sintomas de MPX e tratá-los adequadamente.
  • Se o bebê tiver menos de 6 meses e for separado de sua mãe que tem MPX, o bebê deve ser alimentado com leite humano doado ou substitutos apropriados do leite materno, informado pela viabilidade, segurança, sustentabilidade, contexto cultural, aceitabilidade pela mãe e disponibilidade do serviço.
  • Para bebês de 6 a 23 meses de idade que não podem acessar leite humano de doadores ou substitutos apropriados do leite materno, leite integral pasteurizado animal é adequado como parte de uma dieta equilibrada juntamente com alimentos complementares.
  • Assistência abrangente deve ser fornecida para qualquer mãe que parou de amamentar devido a MPX (ou qualquer outra razão) para relactação para restabelecer a produção de leite e continuar a amamentação.
  • Em caso de substituição da alimentação por substituto do leite materno, é fundamental acompanhar o crescimento do lactente, desenvolvimento e outras doenças, bem como para sinais e sintomas de MPX.
  • Se a mãe de um bebê ou criança pequena tiver sido exposta ao MPX e não apresentar sintomas sugestivos de infecção, o bebê ou a criança não devem ser separados. Devem continuar a amamentar enquanto estiverem de perto monitoramento de sinais e sintomas de MPX.

Leia o manual na íntegra. 

Fontes: WHO reference number: WHO/MPX/Clinical_and_IPC/2022.1