Retorno ao trabalho

A volta ao trabalho é, por vezes, um momento doloroso para a mãe e é fundamental o apoio de todos, especialmente dos empregadores, para que as dificuldades deste período sejam superadas.

A legislação brasileira ampara a mulher trabalhadora com políticas que garantem a manutenção do emprego durante a gestação e a licença-maternidade remunerada. Contudo, as mulheres que amamentam e que se afastam de seus filhos em virtude do trabalho precisam esvaziar as mamas durante a sua jornada diária, para aliviar o desconforto e manter a produção de leite.

Na maioria das vezes, não há nos ambientes de trabalho um lugar apropriado para isso, o que impede que a mulher aproveite o leite retirado para oferecer ao seu filho posteriormente. Portanto, é importante a implantação de salas de apoio à amamentação no ambiente de trabalho, destinadas à retirada e à estocagem de leite materno durante a jornada da mãe trabalhadora.

Salas de apoio à amamentação

As salas de apoio à amamentação são espaços dentro da empresa em que a mulher com conforto, privacidade e segurança pode esvaziar as mamas, armazenando seu leite em frascos previamente esterilizados para posteriormente oferecê-lo ao seu filho ou doá-lo a um banco de leite humano. Esse leite deve ser mantido em um freezer até o fim do dia, em um recipiente etiquetado com o nome da mãe, a data e a hora da coleta. A sala não exige uma estrutura complexa. Sua implantação e manutenção são de baixo custo.

A iniciativa beneficia não somente os pais e o bebê, mas também os empregadores. Ao ter a possibilidade de retirar o leite e continuar amamentando, os pais faltam menos o trabalho porque seu filho adoece menos e, dessa forma, a produtividade no trabalho aumenta. Além disso, ao dar maior conforto e valorizar as necessidades de suas funcionárias, o empregador pode ter como retorno maior adesão ao emprego e, consequentemente, permanência de pessoal capacitado.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde é que o aleitamento materno seja exclusivo durante os seis primeiros meses de vida do bebê e a amamentação continue até os 2 anos de idade ou mais. Dados de uma pesquisa do Ministério da Saúde (2009) revelam o abandono da amamentação por 34% das mães com bebês menores de 1 ano e que trabalham fora de casa. Entre as mães que não trabalham fora, esse índice é de 19%.

Caso você tenha interesse em implantar uma sala de apoio à amamentação em sua empresa, entre em contato com o Centro de Referência Nacional para BLHs.