Na primeira semana em casa

Chegou o grande dia! A família vai para casa e a amamentação pode ser um dos motivos de preocupação, pois na maternidade mãe e bebê estiveram sob os cuidados de uma equipe sempre disposta a apoiá-los. Como amamentar é um processo que pode gerar bastante ansiedade na mulher, é necessário exercitar a paciência inicialmente, mas, com o tempo, a tarefa fica mais fácil.

O ideal é que a amamentação seja realizada em um local calmo e arejado, onde a mulher possa ficar sentada em uma posição bem confortável, acompanhada pelo seu companheiro, sem muitas pessoas ao redor. Se possível, mantenha um copo de água por perto, para a hidratação da mãe durante aamamentação. Já o bebê deve estar vestido com roupas adequadas ao ambiente, para não ficar sonolento ou incomodado.

Coloque o bebê nos seus braços, com o corpo voltado para você, com a cabeça alinhada e braços e pernas livres, na qual seja possível que a criança abra bem a boca e abocanhe a aréola.

Durante a amamentação, estimule o recém-nascido, converse com ele, mexa nos pezinhos ou nas orelhinhas, coloque o bebê para mamar com mais frequência (sob livre demanda). Não o deixe dormir mais de três horas até a primeira consulta com o profissional de saúde. Um importante indicativo de que seu bebê está mamando bem é a troca frequente de fraldas (mínimo seis vezes em 24 horas).

Atenção: não dê chá ou água, pois o leite materno contém a quantidade necessária de líquido para a hidratação do recém-nascido.

Quando o bebê nasce, seu peso inicial inclui o excesso de fluido corporal, que ele perderá durante os primeiros dias de vida. Isso não significa que o seu leite é fraco ou que você deveria amamentar mais vezes ao dia. Essa perda corresponde, em geral, a cerca de 10% do seu peso, sendo recuperado entre o 7º e o 10º dia a partir de seu nascimento. Depois dessa etapa, a maioria dos bebês cresce rapidamente.

A comunicação do bebê ocorre também pelo choro. Sendo assim, torna-se importante ficar atento e procurar descobrir a causa do choro. Não devem ser oferecido bicos, chupetas e mamadeiras, visto que poderá ocasionar confusão para o bebê, dificultando o sucesso da amamentação.

Sabemos que nestes primeiros dias, a amamentação pode provocar algum desconforto no começo de cada mamada. A mulher pode começar a sentir os mamilos doloridos, rachados ou sangrando. Porém, o principal fator que causa as fissuras é a pega errada do bebê. Já a dor mamilar pode ter outras causas.

Para corrigir a pega, grande parte da aréola precisa estar dentro da boca da criança, para que o mamilo fique encostado no céu da boca do bebê. O “depósito de leite” se localiza na região atrás da aréola. Assim, se o bebê coloca apenas o bico do seio na boca, isso pode causar fissuras.

Outra forma de prevenir as fissuras é evitar o ressecamento da pele do mamilo. Para isso, ao final de cada mamada, a mãe deve retirar um pouco do seu leite e usar essas gotinhas para umedecer esta região. O leite materno é rico em ácidos graxos e fator de proteção. Assim, o líquido irá hidratar a pele e a proteger contra infecção, além de ter poder cicatrizante. 

A amamentação é uma atividade complexa. Por isso, se nenhuma das orientações acima lhe ajudou, procure os profissionais de saúde no Banco de Leite Humano mais próximo de sua casa.